Como conheci o MBE, a Pós-Graduação Ambiental da Coppe UFRJ

Entrevistamos nosso aluno Wilson London, da 33ª turma do MBE, que nos surpreendeu com esta matéria publicada em 1998.

Wilson LondonMatéria1. Por que você guardou esta notícia do MBE por tanto tempo?

O recorte de jornal ficou guardado desde 1998 numa pasta de arquivo, esperando uma ocasião propícia e acabei me esquecendo dele. Em junho ou julho do ano passado recebi um e-mail com a propaganda do MBE, pela qual me interessei e entrei em contato. Em novembro resolvi fazer uma reforma em um dos quartos da casa e ao desmontar uma estante abri a tal pasta e encontrei o recorte, que me chamou a atenção por mencionar, por uma feliz coincidência, justamente o lançamento do curso no qual eu tinha acabado de me inscrever.

2. Desde quando você passou a ter interesse na área ambiental?

Meu interesse pela área ambiental vem desde a época que eu costumava acampar e fazer trilhas, um dos motivos da minha opção pela faculdade de Biologia, que cursei na UERJ.

3. Na sua opinião quais são as ameaças e oportunidades para preservação ambiental no Brasil?

Acho que estamos nesse momento com uma grande oportunidade em mãos, que é essa falta de chuvas, causando problemas no abastecimento de água e, provavelmente, um pouco mais adiante, no de energia elétrica. É a ocasião perfeita para reforçar nas pessoas a ideia básica, por assim dizer, de que os recursos naturais não são infinitos e que devem ser preservados cuidadosamente.

Na mesma linha de raciocínio, uma grande ameaça é exatamente a falta dessa consciência, que impele cada um de agir de maneira mais responsável e cuidar para que os outros também o façam.

4. O que você está achando da pós-graduação?

Estamos somente com um mês de curso, mas as primeiras impressões são boas. Os professores são dedicados e alguns fizeram parte da história da matéria que estão lecionando, como o prof. Haroldo, o que confere uma visão especial do assunto. Minha expectativa é muito positiva.

Confira Wilson London no MBE Networking.