Bioarquitetura: Construção Sustentável – Uma aliada para o Desenvolvimento Sustentável

Entrevistamos Graziela Marcô Leandro, nossa aluna da 33ª turma do MBE, Analista de Legalização da empresa Construtora Tenda S.A.

JOIA HSTERN 2Sobre a aluna:
Turma: MBE 33

Formação:
Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Gama Filho. Pós-graduada em Gerenciamento de Projetos pela Universidade Católica de Petrópolis e Pós-graduada em Meio Ambiente, pela COPPE/UFRJ. Experiência profissional em projetos arquitetônicos, do anteprojeto ao projeto executivo, experiências em projetos de interiores e legalização de obras. Participação nos projetos executivos de Revitalização de Recife, Porto Maravilha, restauração da cobertura do Theatro Municipal do Estado do Rio de Janeiro e legalização de empreendimentos do Minha Casa Minha Vida

Profissão: Analista de Legalização da empresa Construtora Tenda S.A.

LinkedIn

 

 

No Brasil, percebo que os ramos de construção civil e de projetos arquitetônicos têm evoluído em passos médios. Em minhas pesquisas vejo que a maioria dos empreendimentos de médio a grande porte adota muito ou alguns sistemas que contribuem para a sustentabilidade. Em boa parte das vezes, esses empreendimentos recebem incentivos de órgãos públicos, como forma de medida compensatória ou na obtenção de licenciamento através das condicionantes da licença, participação em concursos públicos ou para adquirir certificados ambientais. Mas é preciso ressaltar também que os profissionais estão adotando em seus projetos práticas e métodos que contribuem para o meio ambiente e a sustentabilidade. Acredito que essa tendência deve aumentar ao longo dos anos, pois esses temas fazem cada vez mais parte da vida das pessoas, sendo inseridos em instituições acadêmicas, devido à relevância das questões ambientais.

Se analisarmos o cliente de empreendimentos de pequeno porte, residências ou comércios, a evolução é considerada lenta, uma vez que nem todos possuem recursos necessários para investir inicialmente em soluções sustentáveis. No entanto, é importante destacar ainda que essas despesas, com o tempo, serão transformadas em lucro para o empreendimento e em vantagens corporativas.

Analisando os empreendimentos em todo o mundo, pode-se afirmar que as soluções estão sendo incorporadas nos projetos, com o intuito de prevenir os desastres ambientais e as mudanças climáticas, como meios de controlar a instabilidade desses desastres e a escassez de recursos naturais.  Alguns países da América do Norte, América Central, Ásia e o Chile (América do Sul), por exemplo, que sofrem com terremotos, maremotos e tufões, utilizam tipologias construtivas para controlar os efeitos naturais nos edifícios, objetivando também a segurança da população. Portanto, atitudes construtivas e projetuais sustentáveis procuram minimizar os possíveis desastres naturais e os prejuízos futuros.

Devido à importância do assunto, no que diz respeito à sustentabilidade, muitas pessoas passaram a procurar profissionais da construção civil, engenheiros e arquitetos e a se preocupar em pesquisar mais sobre o tema na internet, a fim de adotar medidas sustentáveis ou adaptá-las em seus empreendimentos, seja em fase de construção ou já construídos.

A maioria dos clientes que atendo relata o desejo de obter medidas sustentáveis em seus projetos, a começar pelos seguintes itens: economia energética e reuso de água. Noto que os clientes gostam especialmente de tais medidas, adotando-as em todo o empreendimento, incluindo projetos paisagísticos, em iluminação paisagística com lâmpadas de LED e drenagem da água, por exemplo.

O reuso de água pode servir para captar a água da chuva e para o armazenamento em reservatórios elevados e enterrados, separados em água de concessionária e água filtrada e reutilizada.  Estes são reservatórios específicos que possuem todo um sistema, além da captação da água da chuva, que pode ser feito através de calhas no telhado e no transporte por tubulação e bombeamento para os reservatórios subterrâneos e elevados. O sistema, resumidamente, consiste em: filtros, bombas, reservatórios e o armazenamento da água tratada, água da chuva, para uso doméstico. Após o processo de filtragem da água da chuva, a mesma pode ser utilizada em pias, máquinas de lavar roupas, torneiras e, até mesmo, em irrigação de jardins.

A economia energética mais utilizada atualmente é a adoção de painéis fotovoltaicos, bem como os aquecedores solares e as lâmpadas de LED.  Os painéis fotovoltaicos são mais utilizados em parques de geração de energia solar, pois esta é a sua principal função: gerar energia elétrica através da absorção das placas pela incidência da luz solar. Mas eles também são encontrados em áreas urbanas, para atender a demanda de uma cidade, como, por exemplo, a Alemanha, Portugal, México e Canadá, que possuem diversas usinas solares. Já as placas fotovoltaicas, como geram energia, possuem capacidade para a alimentação de lâmpadas e podem ser utilizadas em televisores e eletrodomésticos.  As despesas iniciais para a instalação são altas, mas o uso frequente pode gerar um rápido retorno financeiro.

Os aquecedores solares, por sua vez, são utilizados com o intuito de aquecer a água do empreendimento, podendo, depois, usá-la como água quente para chuveiros, torneiras e piscinas; esse sistema é usualmente adotado em empreendimentos de pequeno porte.

É necessário que o cliente com esse objetivo procure a ajuda de profissionais, engenheiros ou arquitetos, que poderão melhor avaliar tecnicamente a estrutura das instalações elétricas e hidráulicas e todo o sistema da construção a ser adaptada. Isso porque, dependendo de alguns casos, pode haver a necessidade de reformar ou trocar tubulações para se adequar ao novo projeto de adoção de medidas sustentáveis.

Caso o cliente queira soluções sustentáveis imediatas e voltadas para o cotidiano, recomendo que a pessoa já adquira a consciência ambiental. É a melhor forma de se começar a ajudar o meio ambiente, seja colaborando com a coleta seletiva, separando lixo reciclável do lixo orgânico e despejando em local adequado, ou através do racionamento de água e de energia, não havendo desperdícios, não provocando poda ou corte ilegal de árvores, entre outras medidas.

No âmbito da construção civil, vejo que as edificações sustentáveis estão avançando de forma significativa no Brasil e em todo o mundo. Percebo em minhas pesquisas que muitos profissionais adotam em seus projetos a sustentabilidade como tipologia projetual. Um projeto limpo e ecológico resulta em lucro e benefício ao meio ambiente e ao cliente.

Analisando a forma projetual e volumétrica do empreendimento, é possível prever que, em 2050, as construções irão funcionar com tecnologias avançadas para redução e racionamento dos recursos naturais.

Acredito também que o setor e as empresas que trabalham no ramo da construção civil devem, cada vez mais, apresentar inovações e soluções visando melhorias ao meio ambiente, tornando esses elementos mais acessíveis à população e mais econômicos. Atualmente, boa parte desses sistemas tem um custo alto e não está ao alcance de todos.

Escolhi o tema Bioarquitetura: Construção Sustentável – Uma aliada para o Desenvolvimento Sustentável para o meu TCC, porque senti que poderia utilizar os meus conhecimentos profissionais para me aprofundar no assunto e, assim, ajudar as outras pessoas, além de passar a ter uma visão mais sustentável e inovadora nos meus projetos arquitetônicos.

Sinto-me um instrumento positivo para que haja um avanço das soluções sustentáveis a serem adotadas no meu ramo e percebo na minha pessoa uma visão mais global de todos os impactos ambientais que poderei causar.

Fazer pós-graduação na COPPE/UFRJ foi uma decisão na qual eu buscava adquirir melhores conhecimentos sobre o meio ambiente com professores e em uma instituição de qualidade, onde eu pudesse aproveitar todo o aprendizado para a minha carreira e vida pessoal.

A COPPE/UFRJ só contribuiu de forma positiva para a minha vida profissional. Nas aulas (incluindo as externas) e palestras, tive o apoio de companheiros de classe e de renomados professores e especialistas de Meio Ambiente, que, com vasta experiência na área, passaram todo o conhecimento necessário para que nós, alunos, pudéssemos analisar e entender o entorno em que vivemos, com uma visão global de cada aspecto e de técnicas ambientais mais usuais.

Por fim, gostaria de salientar a importância de as instituições acadêmicas adotarem como matéria obrigatória a Educação Ambiental, tanto em escolas como em universidades, assim como Meio Ambiente e Sustentabilidade. Acredito que, se todos em sua atividade profissional visassem à saúde do meio ambiente, com certeza, os danos já causados, muitos deles irreparáveis, hoje em dia, seriam minimizados, beneficiando o planeta e as futuras gerações.

 

Torne-se um Especialista